Endereço : Rodovia GO 462, KM 12, Zona Rural - Santo Antônio de Goiás - GO


Contato : (62) 3533-2192 | sinpafssgoias@gmail.com

Brasileiros são contra as privatizações

26 de dezembro de 2017 - 13h23

7 em casa 10 brasileiros são contra privatizações, diz Datafolha

Foto: Diogo Villa Marim
   


A pesquisa conclui que sete em cada dez brasileiros são contrários às privatizações, carro-chefe dos programas do atual governo. 67% também vê prejuízo na venda de empresas brasileiras para estrangeiros.   

A única faixa em que as privatizações são aceitas pela maioria é aquela em que predominam aqueles que ganham mais de dez salários mínimos. Mesmo entre os que apoiam o governo Temer, 51% são contra a privatização. O resultado também se repete entre eleitores do PSDB, legenda que promoveu e promove desestatizações – onde 55% dos entrevistados responderam que são contrários às privatizações.

Considerando por região, a maior resistência às privatizações está entre os entrevistados do Norte e do Nordeste: 78% e 76%, respectivamente reprovam as privatizações. No Sudeste são 67% contrários. Quando se trata de renda familiar, quanto menor a renda mais rejeição. Entre aqueles que ganham até dois salários mínimos apenas 13% se mostram a favor das privatizações.

Privatizações: Repúdio à esquerda e à direita

Assim como a reforma da previdência tem criado dificuldades no governo Temer, as privatizações prometem ser um entrave à continuidade das privatizações em ano de eleições, segundo apontam analistas. Tema que deve dominar o pleito, as privatizações não tem apoio em nenhum grupo de eleitores independente do candidato ser do campo da esquerda ou direita, segundo a pesquisa.  

Entre os que menos resistem às privatizações estão os potenciais eleitores de Geraldo Alckmin (PSDB) e Jair Bolsonaro (PSC). Os mais resistentes às privatizações são os que apontam voto em Lula. A pesquisa entrevistou eleitores com base em dois cenários – um com Lula e outro sem Lula – e o apoio às privatizações varia entre 31% a 36%.

A Eletrobras é a empresa cuja privatização é mais rejeitada pela população.